sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Panqueca de espinafre e palmito


 
Receitinha de fim de semana: demora, da um trabalhinho, mas é uma delícia de fazer bebericando um vinho, sem pressa. Massa leve de panqueca (sem óleo ou azeite mas com queijo!), recheio cremoso de espinafre e palmito (e a massa serve para qualquer outro) e molho de tomate. A receita dá para oito panquecas grandes.

Massa:
2 ovos
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de leite
50 gramas de queijo ralado (ou mais um pouco)
pitada de sal
azeite

Bata tudo no liquidificador. Esquente umas gotinhas de azeite numa frigideira aderente e vá moldando as panquecas (a primeira sempre fica feia!). Reserve.

Recheio
1 cebola pequena cortadinha
200 gr de espinafre já cozido e escorrido (peso depois de cozido)
250 gr de palmito picadinho
75 gr de queijo feta ou minas curado ou ricota curada
1 xícara de leite
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de farinha de trigo
2 colheres de sopa de queijo parmesäo ralado
pitada de noz moscada
pimenta do reino, azeite e sal


Doure em fogo baixo a cebola com um pouco de azeite até começar a dourar. Acrescente a manteiga, deixe derreter e refogue o espinafre e o palmito. Deixe uns três minutos e acrescente a farinha dissolvida no leite. Sempre em fogo baixo deixe engrossar um pouco. Acrescentea noz moscada, pimenta e sal a gosto. Misture o queijo feta em cubinhos e apague o fogo.





Montagem:  Com o recheio frio, modele as panquecas (mais ou menos 2 colheres de sopa de recheio para cada uma). Cubra com o molho, um pouco de queijo parmesäo ralado e leve a gratinar por cerca de 15 minutos.

Cobertura:
1 xícara de molho de tomate (caseiro, por favor!)


sábado, 15 de outubro de 2011

Salada de abobrinha, queijo e castanha de cajú


Tem gente que jura que nunca tem vontade de comer salada. Eu também nunca acordo pensando em alface coberta com sal. Mas uma boa salada, com um tempero ótimo, recheada de sabores não vegetais (queijo, queijo!).. desperta sim a minha gula.

Eu pensava que nesta época eu já estaria entre os ensopados e as verduras assadas, celebrando o friozinho do outono. Por sorte, o sol resolveu aparecer com a força que não teve no verão e eu me peguei essa semana em casa, louca por uma salada e sem os ingredientes onipresentes quando se fala SA-LA-DA: alface e tomate. Oportunidade perfeita para estrear uma receitinha nova.



Ingredientes (2 porções)
1 abobrinha média cortada em finíssimas fatias no sentido do comprimento (eu usei o descascador de cenouras mas vale com uma boa faca e um pouquinho de calma)
Um pedacinho de queijo de cabra ou feta (mas pode ser qualquer outro )
Lascas de parmesão
Um punhado de castanha de caju (ou amêndoas ou nozes ou pinhones)

Molho
Sumo de um limão pequeno
4 colheres de sopa de azeite
Pimenta do reino
Manjericão fresco esmagado ou picado muito pequeno
sal
Pimenta calabresa (se gostar)


Misture todos os ingredientes do molho, você vai notar que o limão dá uma ligeira engrossadinha no azeite. Arrume as lascas de abobrinha num bowl e cubra com o molho, deixando marinar por uns minutos. Depois é só servir coberto com os queijos e as castanhas.


domingo, 9 de outubro de 2011

Flan de abacaxi


O domingo ensolarado inspira uma receita leve, fresquinha, como quem se despede de vez do verão. O flan de abacaxi segue minha linha experimental de trocar nata por iogurte, desta vez de forma prudente: metade da nata virou iogurte. A substituição costuma dar certo quando a receita não vai vao forno ou fogo, caso contrário o iogurte porta-se bastante mal e pode talhar (como aconteceu com uma receitinha de frango recente que se transformou num mar de soro de leite dentro do forno).

Derrotas a parte, esse flan não tem erro. Fica pronto em 15 minutos e seu único defeito é a propriedade viciante de sua constituição cremosa e fresquinha.


Ingredientes:

1 abacaxi grande ou uma lata de abacaxi em conserva grande (sem açùcar) cortado em pedacinhos)
2 envelopes de gelatina sabor abacaxi
1 lata de leite condensado
200 ml de nata ou creme de leite
200 ml de iogurte natural sem açúcar
4 xícaras de água
2 colheres de sopa de açúcar (caso o abacaxi não esteja muito doce, os de lata costumam ser bastante azedos. Se o abacaxi estiver docinho não faz falta)

Coloque o abacaxi picadinho para ferver com a água e o açúcar. Ferva por 10 minutos em fogo baixo. Coe o abacaxi e use a água quente para dissolver os envelopes de gelatina. Bata no liquidificador a gelatina, a nata, o leite condensado e o iogurte. Num pirex acrescente 2/3 do abacaxi e a mistura de gelatina. Leve à geladeira por pelo menos 5 horas. Quando estiver ¨durinha¨ coloque o restante do abacaxi decorando.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Peixe grelhado com molho de camarão


Como hoje é segunda-feira, vale começar a semana com uma receita leve, com poucas calorias, mas muito gostosa. O peixe grelhado com molho de camarão é um prato clássico nos restaurantes brasileiros. Nesta versão, sem dendê e leite de coco o prato fica bem menos calórico. Serve até pra animar o jantar da segunda sem culpa.

Receita (2 pessoas comilonas)

2 filés de peixe branco, limpos, sem espinha nem pele (desta vez usei bacalhau fresco, mas pode ser robalo, pescada, ou qualquer outro peixe branco)
250 gr de camarão sem casca (pode ser de qualquer tamanho, os pequeninos também valem)
2 cebolas pequenas cortadas em tirinhas
3 dentes de alho picadinhos
2 tomates picados
6 azeitonas verdes picadas e sem caroço
1 xícara de café de vinho branco
Salsinha, cebolinha, sal, pimenta do reino, azeite a gosto


Comece pelo molho. Refogue em fogo lento a cebola em tirinhas, aproximadamente por dez minutos ou até começar a mudar de cor. Acrescente o alho e refogue por mais uns três minutos. Incorpore o tomate e deixe ferver. Agora é a vez do camarão, vinho, salsinha e cebolinha, azeitonas, sal e pimenta do reino. Deixe ferver por 5 minutos e apague o fogo.

Grelhe o peixe por cerca de 7 minutos, dependendo do tamanho do filé. Os filés devem ganhar um leve dourado, sem que o peixe se seque.

Sirva com o molho e arroz.



quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sequilhos de nata

Minha avó paterna não era exatamente uma grande cozinheira. Mas tinha suas especialidades. Uma delas era a manteiga caseira: ela passava dias guardando a nata que se formava depois que o leite fervia (na época em que tomávamos leite de verdade e não esse preparado de caixinha). Quando o potinhos de vidro estava cheio de nata o trabalho era bater, bater e bater até que milagrosamente a pasta branca adquiria um tom amarelo e consistência espessa. Acho que vem daí minha paixão pelo pão com manteiga quentinho.
Quando a nata escapava do destino de manteiga virava biscoito. Dessa vez pelas mãos da minha mãe. Lembro do potinho sendo mesclado à maizena e das dezenas de bolinhas, que eu ajudava a fazer, sendo amassadas por um garfo.
Em busca dessa lembrança saíram esses sequilhos de nata. Biscoitos crocantes, sequinhos, divertidos de fazer e perfeitos para tomar com um café. Pouco doces, nada gordurosos. Devo confessar que embora gostosos não têm o mesmo sabor dos biscoitinhos de nata caseira. A vida moderna cobra seu preço.

Sequilhos de nata
250 ml de creme de leite fresco (ou nata espesa para quem está do outro lado do Atlântico ou nata de verdade para quem for sortudo)
1 xícara de farinha de trigo
2 xícaras de maizena
1 xícara de açúcar
1 colher de sopa de fermento (pó Royal)
2 colheres de sopa cheias de manteiga
1 colher de café de extrato de baunilha ou uma colher de sopa de açucar de baunilha
Manteiga e farinha de trigo para untar o tabuleiro.

Amasse tudo com as mãos formando uma bola. Se for necessário acrescente um pouco mais de maizena. Se fizer calor deixe a massa uma meia hora na geladeira até firmar um pouco mais antes de abrir com o rolo.


Estique a massa e corte os biscoitos no formato desejado (se não tiver cortadores vale usar qualquer copo ou xícara). Colocar os biscoitos com uma distância de uns dois centímetros entre um e outro (crescem um pouco) em tabuleiro untado e enfarinhado.

Outra opção é fazer a massa com xícaras rasas de maizena e colocar em um saco de confeitar para moldar os biscoitos (com o bico mais largo). E sempre com o tabuleiro untado e enfarinhado.












Assar por cerca de 10 minutos em forno pré-aquecido, temperatura 200 graus. Estão assados quando estiverem ligeiramente dourados por cima e douradinhos por baixo.


Ingredientes que podem ser acrescentados à massa: canela ou coco ralado ou queijo ralado ou gotas de chocolate ou amêndoas trituradas ...




quinta-feira, 14 de julho de 2011

Torta de quinoa, espinafre e feta em leito de abobrinhas




Como já deve ser evidente eu adoro comer. Passo boa parte dos meus dias pensando em comida, comprando comida, fazendo comida e, evidentemente, comendo. Para evitar a obesidade e a tendência de ganhar um quilo por ano (que sigo fiel desde os 18) tento equilibrar os doces e os pratos com muito queijo e creme de leite com receitinhas light durante a semana. Algumas, como esta, são surpreendentemente deliciosas.

Receita

1 molho de espinafre (as folhas) grande ou aproximadamente 200 gr
3/4 xícara de quinoa cozida (se cozinha como arroz, por aproximadamente 20 minutos, o dobro da quantidade de água)
1 alho-poró cortado fininho
1 abobrinha pequena
5 ou 6 cogumelos frescos
1/2 lata de milho
80 gr. queijo feta em cubinhos
Azeite, sal, pimenta do reino
2 ovos
Queijo parmesão ralado para cobrir

Cubra um pirex com a abobrinha cortada em rodelas. Tempere com sal e pimenta do reino. Reserve.
Numa panela coloque os espinafres para  "murchar". Não precisa colocar água: deixe as folhas perderem toda a sua própria agua com um pouco de sal em fogo baixo. Quando já não houver água apague o fogo. Reserve.
Refogue em fogo baixo o alho-poró até começar a dourar. Acrescente os cogumelos em fatias e deixe reduzir um pouco a água. Acrescente espinafre, milho, quinoa e queijo feta.Tire do fogo e corrija o sal, se necessário. Cuidado que o queijo feta já é bem salgado.
Sobre o "leito de abobrinhas" espalhe a mistura de quinoa. Bata ligeiramente os dois ovos com um garfo e espalhe por cima. Por último queijo parmesão ralado grosso. 
Leve ao forno por 20 minutos a 200 graus. Ponha para gratinar e deixe mais 5 minutos até o prato ganhar uma bela corzinha dourada. Pode ser servido como prato único ou acompanhamento.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Pannacotta com calda de cerejas ao vinho do Porto

A comida italiana muitas vezes é um duetto perfeito de simplicidade e sabor. Uma boa massa com manjericão, tomate e parmesão. Uma bruschetta. Ou uma pannacotta. O segredo é o move qualquer receita: os melhores ingredientes que você puder encontrar. Nesse caso, nata (creme de leite fresco) de boa qualidade, fava de baunilha e cerejas rubras no auge da estação.

Versátil, a pannacotta (que nada mais é que uma espécie de flan de baunilha) pode ganhar caldas variadas. Além das cerejas, vale calda de caramelo, chocolate, doce de leite, outras frutas vermelhas e (já estou morrendo de inveja de quem vive no Brasil) deve ficar perfeita com uma calda azedinha de maracujá. Mas também está deliciosa sem calda nenhuma, deixando que as sementinhas de baunilha reinem sozinhas e explodam no céu da boca.

Pannacottta (rende 8 porções individuais)

1 litro de nata (creme de leite fresco)
 
2 favas de baunilhas inteiras, com um corte ao longo do comprimento para que saiam as sementinhas (esse vídeo mostra o processo, nessa receita usamos toda a fava, sementes e corpo)
12 gramos de gelatina sem sabor em folhas
250 gramos de açúcar

Num recipiente coloque as folhas de gelatina de molho em água fria. Deixe cerca de 15 minutos.

Numa panela ferva a nata com o açucar e a baunilha em fogo baixo. Deixe ferver por cerca de 3 minutos, verificando se as sementinhas da baunilha se incorporaram ao creme. Retire as favas, apague o fogo e acrescente as folhas da gelatina hidratadas, mexendo até que tudo se dissolva bem.

Coloque em potinhos de flan e deixe na geladeira por pelo menos 6 horas (idealmente de um dia para o outro). Não faz falta untar, na hora de desenformar é só mergulhar rapidamente os potinhos na água quente e ajudar com uma faca. 


Calda de cerejas ao vinho do porto

Meio quilo de cerejas maduras sem caroço
150 gramas de açúcar
Suco de meio limão grande ou um inteiro pequeno
1 dose de vinho do porto (uma xícara pequenina)

Coloque todos os ingredientes para ferver em fogo baixo por cerca de dez minutos. Deixe esfriar e guarde na geladeira até o momento de servir.




quarta-feira, 22 de junho de 2011

Recette de Papillote



Sou da opinião que cozinhar exige apenas um requisito: gostar de comer bem. Ou melhor, que comer bem seja requisito indispensável. Sou daquelas que não abre mão de comida bem feita, seja um simples ovo mexido ou um risotto no ponto, al dente, cremoso, suculento.

A luta contra o tempo na rotina diária não me serve de desculpa. O que posso provar com essa quase não-receita de Papillote. Essa técnica francesa de nome tão pretensioso nada mais é do que cozinhar alimentos dentro do papel alumínio. A combinação de alimentos - que serão cozinhados a vapor e sem sujar panelas - obedece a uma regra básica: juntar verduras e carnes que tenham tempo de cozimento parecidos.

Papillote de camarão, aspargos, cogumelos e cenoura
(Para uma pessoa)

8 camarões
6 aspargos verdes
1 cenoura
3 cogumelos  frescos cortados em fatias
1 dente de alho cortado muito pequeno
azeite, sal, limão, pimenta do reino e molho de soja (Shoyo) a gosto

É tão simples que dá até vergonha de explicar. Corte uma folha grande de papel alumínio. Dentro dela disponha os alimentos e cubra com os temperos e o alho. Dobre a folha como um envelope, fechando bem as pontas para que o líquido não vaze.

Aqueça o forno a 200 graus. Coloque o envelope e deixe 7 minutos mais ou menos. Este é o tempo necessário para o camarão cozinhar e as verduras ficarem al dente. O resultado: comida saborosa e saudável em minutos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Bolo de iogurte

Algumas receitas são fundamentais. Um bom bolo branco. Uma bela macarronada. A sobremesa que pode ser feita em 5 minutos e salvar o jantar de última hora. Este bolo de iogurte faz parte da categoria básica.  E pra entrar nesta categoria tem que ser testada e retestada e ganhar o aval de perfeita: sempre dá certo, sempre fica gostoso e admite muitas variações.





Assim, depois de muitas receitas de bolo de iogurte posso dizer sem medo que essa é uma delícia. O da foto foi feito com um pouco de farinha de arroz (metade da farinha total da receita), gotas de chocolate e amêndoas na cobertura. Como a farinha de arroz deixa a textura mais sequinha e leve fica perfeito pra molhar no café com leite. Mas as opções são infinitas: coco, frutos secos, um pouquinho da bebida favorita .... Ou ainda fazer a receita básica e cubrí-la com amêndoas, brigadeiro, doce de leite....

Ingredientes:

2 ovos
2 iogurtes (de 125 gramas, não pode ser light ou desnatado eu gosto muito do iogurte grego)
2 medidas do copo de iogurte de açúcar
4 medidas de farinha de trigo
1 medida de manteiga ou óleo (Eu sempre prefiro manteiga)
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de sopa de baunilha
Pitada de sal

Acenda o forno em 180 graus. Bata os ovos com a manteiga, a baunilha e um dos iogurtes até esbranquiçar. Acrescente o outro iogurte e incorpore. Por último todos os secos misturando bem sem bater muito. (Nesta versão da foto eu acrescentei gotas de chocolate e misturei levemente e cobri toda a massa com amêndoas em pedacinhos) .
Asse numa forma untada com manteiga por cerca de 30/35 minutos até que o palito saia seco.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Creme de aspargos

Dizem que tá friozinho pelas bandas do Rio. Aqui, embora seja quase verão, para o bem e para o mal, as noites continuam fresquinhas, não passam de 15 graus. O que significa que os cremes e sopinhas continuam bem-vindos. Escoltados por um tinto encorpado. Ainda mais quando é pra aproveitar o fim da temporada de aspargos, grandes e baratos. Esse creme é super suave e aceita muitas variações: queijos, croûtons, bacon tostadinho.. Eu prefiro simples, decorado com as pontas dos aspargos e com um fio de um bom azeite.


Mais ou menos meio quilo de aspargos limpos, sem a parte dura do começo, cortado em rodelas com a ponta deixada inteira.
Meio litro de caldo de frango (vale repetir que caseiro, caseiro!)
1 cebola média
3 dentes de alho
3 ou 4 queijinhos (polenguinho, vaquinha e afins)
150 ml de creme de leite (nata espesa) (opcional)
Sal e pimenta do reino a gosto
Queijo parmesão ou grana padanna ralado a gosto
azeite


O processo é simples e ligeiro. Refogue em fogo baixo a cebola no azeite e acrestente o alho quando esta já estiver transparente. Deixe dourar levemente e acresente os aspargos. Deixe refogando por cerca de 10 minutos em fogo baixo temperando com sal e pimenta. Acrescente o caldo e deixe ferver por mais uns minutos. Prove para ver se está tudo cozido e bem temperado. Não deixe cozinhar demais os aspargos. Tire do fogo e bata no liquidificador com os queijinhos e o queijo ralado. Na hora de servir esquente e acrescente, se quiser, o creme de leite. Além de calorias esse ingrediente acrescenta mais cremosidade, uma textura aveludada ao creme.


segunda-feira, 16 de maio de 2011

Porn food - Brownie de doce de leite




Porn food. Comidas que ativam seus desejos mais primários, seja pela apresentação sedutora, seja pelo conteúdo rico em açúcar, calorias, explosão de sabores. Esse brownie é exatamente assim: meio-amargo de um excelente chocolate em barra, denso mas macio e ainda por cima repleto de doce de leite. Ele é feito para ser comido sem sorvete, nata ou qualquer coisa assim. É um doce completo e que está mais gostoso no dia seguinte. Se for possível guardar um pedaço.

Ingredientes

115 gr de manteiga sem sal
200 gr de chocolate meio-amargo (eu usei Lindt, quanto melhor a qualidade do chocolate,melhor o resultado final)
1 colher de sopa cheia de cacau em pó ou chocolate em pó sem açúcar (não vale nescau ou afins)
3 ovos
200 gr de açúcar
1 colher de sopa de extrato de baunilha
1 colher de chá rasa de sal refinado
140 gr de farinha de trigo
1 vidro de doce de leite (cerca de 400 gr), ou mais ou menos, de acordo com o nível de luxúria do cozinheiro

Cubra uma assadeira com papel alumínio (o papel tem que sobrar nas bordas da assadeira, essa folha é para facilitar na hora de tirar o brownie da forma). Unte bem o papel com manteiga. Ligue o forno a 180 graus.

Derreta no microondas o chocolate picado com a manteiga, em potência baixa, controlando para que não queime.

Acrescente o chocolate em pó mexendo para que a mistura esfrie. Acrescente os ovos, um de cada vez, sempre mexendo. Depois a baunilha, o açúcar e o sal. Mexa até incorporar todos os ingredientes. Por último a farinha peneirada mexendo somente o suficiente para que ela se incorpore. Não use batedeiras e não mexa muito.

Com cuidado, coloque metade da mistura na assadeira. Por cima desta, colheradas generosas de doce de leite. Derrame a metade restante e, se desejar, mais algumas colheradas do doce de leite.

O brownie deve assar por cerca de 30, 35 minutos. Nessa receita não vale o teste do palito, pois os brownies não devem secar completamente. A dica é, depois de 30 minutos, se todo o brownie parece assado por cima pode tirar do forno. As fotos não me deixam mentir: Porn food.



domingo, 1 de maio de 2011

Torta gelada de coco

 
Essa torta é um clássico da família. A receita era de uma amiga da minha mãe e fazia séculos que eu não reproduzia. Assada ontem já está pela metade, ou seja, é um sucesso, sobretudo no ranking das sobremesas de segunda categoria aqui em casa (as que não levam chocolate). A torta é molhada, leve, não muito doce. Esteticamente confesso que não resultou uma obra-prima (como evidencia a foto) mas o conteúdo compensou.

Ela não é exatamente facílima de fazer (o Marshmallow da cobertura é um certo desafio, há que estar muito atento ao ponto de fio da calda). Mas o resultado compensa.


Massa
4 ovos
2 xicaras de açúcar
2 xic. Trigo
1 colher sopa pó royal
1 copo de leite quente.

Bata as claras em neve, junte as gemas e o açúcar  e bata bem. Acrescente o trigo e fermento. Por último o leite quente, misturando suavemente. Forma untada e enfarinhada. Assar por cerca de 50 minutos com forno em 180 graus.

Recheio
½ litro de leite
1 lata de creme de leite (nata espesa para quem está fora do Brasil)
1 lata leite condensado
2 colheres maisena
2 gemas peneiradas (isso evita o cheiro de ovo)
100 gr. coco ralado
1 colher de chá de baunilha

Misture tudo menos o creme de leite e leve ao fogo até engrossar. O ponto é de mingau grossinho. Depois de apagar o fogo siga mexendo para evitar a formação de uma crostinha. Depois de esfriar misture o creme de leite.

Cobertura
1 ½ xícara de açúcar
1 xícara de água
1colher de chá de baunilha
2 claras em neve

Leve açúcar e água para ferver em ponto de fio. Aí descansa um profundo mistério. O ponto de fio é quando ao despejar um pouco da colher e sai um fiozinho cremoso. Mantenha em fogo baixo e cuidado para não engrossar muito: o marshmallow açucara. Despeje aos poucos sobre as claras até obter um suspiro bem firme, sempre batendo. Coloque a baunilha. 

Para molhar
Leite de coco 
1 xicara pequenina de Licor de amêndoas (opcional)

Corte o bolo em três camadas. Molhe cada uma com o leite de coco misturado ao licor de amêndoas e recheie. Por último, com o bolo já frio (o ideal é deixar umas 2 horas na geladeira antes) cubra com o marshmallow.

sábado, 30 de abril de 2011

"Risotto" de Quinoa




Provavelmente esse é um post demodé. Acho que há dois anos a quinoa era a grande queridinha das comidas saudáveis da moda. Eu demorei a experimentar mas fui seduzida principalmente por dois motivos:
- Poder variar mais a comida rápida diária, já em loop eterno entre o cuscuz, a pasta e o arroz.

- E as características saníssimas o pacotinho da quinoa afirma que ela tem: muito mais vitaminas e proteína do que o arrozinho nosso de cada dia.

Basicamente a quinoa é cozida como o arroz e pode ser utilizada em saladas frias, como o cuscuz ou o tabule, ou em pratos quentes, como saladas quentes, ou nesta última versão, como um "risotto" ligth. Claro que não é o mesmo que comer um belo risotto com creme de leite, manteiga e muito queijo ralado. Mas ficou gostoso sem pesar muito na consciência.

Ingredientes:
1 copo de quinoa
1 cebola pequena cortadinha
1 dente de alho gordo picadinho
Azeite
Caldo de legumes quente (aproximadamente uns 800 ml)
1/2 taça de vinho branco
1 colher de sopa de manteiga
250 gramas de espinafre lavado e cortado em pedaços grandes
Champignons frescos (opcionais, uns 5 ou 6)
150 gramas de queijo feta
Amêndoas tostadas e picadas grosseiramente (eu uso com a casca, garante mais fibras)
Queijo parmesão ou grana padano ralado a gosto
sal, pimenta do reino
cebolinha picada a gosto




Refogue o espinafre e os champignons com um dente de alho picadinho e azeite. Reserve.
Doure a cebola lentamente no azeite. Acrescente a quinoa e doure até começar a escutar uns estaladinhos. Acrescente o vinho e deixe evaporar sempre mexendo. A partir daí é ir acrescentando conchas de caldo de legumes (sempre quente) até a quinoa ficar transparente.Acrescentar o refogado de espinafre, sal e pimenta a gosto. Por último o queijo feta em quadradinhos e a manteiga. Apagar o fogo, deixar descansar uns 2 minutos e servir com a cebolinha, amêndoas e queijo ralado a gosto.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Muffins de maçã

 
Eu confesso que a maçã nem de longe é minha fruta preferida. No entanto, amo os doces de maçã. Como esse singelo muffin, que não é nada doce, tem textura crocante de crumble no topo de um bolinho macio e leve, fica perfeito pra tomar com um chá, ou de sobremesa quentinho com uma boa bola de sorvete de baunilha. E ainda por cima facinho de fazer. E com um montão de fruta, algo de aveia .. Light não é, mas alimenta e faz crescer!

1 1/1 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de aveia em flocos
200 gramos de maçãs picadas (fica mais gostoso com a maçã verde ou outra que seja  ácida)
1 colher de chá de pó Royal
1/2 colher de chá de bicarbonato
2 ovos
100 gr. de manteiga
1 xícara de açúcar
1 boa pitada de sal
1 colher de chá de essência de baunilha

 12 forminhas para muffins médios

Cobertura
1/4 de colher de sopa de canela em pó
80 gramas de açucar mascavo
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de farinha de trigo

Acenda o forno em 180 graus.
Bata na batedeira a manteiga em temperatura ambiente com os ovos e açúcar. Adicione a baunilha. Incorpore a farinha e os outros ingredientes batendo um pouco mais. Por último as maçãs picadas mexendo delicadamente. A massa parece pouca pra tantos pedacinhos de maçã, não se preocupe, você está no caminho certo. Distribua a massa pelas forminhas.

Prepare a cobertura - É só misturar todos os ingredientes com as pontas dos dedos, como se fosse uma farofinha e cobrir os bolinhos.

Leve para assar por cerca de 25 minutos ou até que o famoso teste do palito possa ser feito: ele tem que sair sequinho.








terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Mais caldo!

Então hoje é terça-feira, dia de tentar comer algo saudável sem abrir mão do sabor. Como ainda estamos no inverno por aqui eu vou de caldo. Sim, de novo! Dessa vez o meu preferido: de cogumelos. A receita é simples e ao sabor delicado dos cogumelos se junta o alho-poró, um bom azeite extra-virgem e lasquinhas de grana padano. E um bom vinho para escoltar e ajudar a esquecer todo o trabalho do dia.

Caldo de cogumelos
250 gr. de cogumelos Paris frescos
250 gr. de Shitake fresco
1 alho-poró cortado em tirinhas
100 gr. de nata fresca (se não tiver pode ser o de caixinha)
100 ml de vinho branco (aqui vale o bom senso: não precisa ser o melhor vinho do mundo mas se for muito ruim altera o sabor. Eu gosto de usar um pouquinho do vinho que vou tomar na ocasião)
2 xícaras de caldo de legumes (aqui vale a mesma dica do caldinho anterior: de preferência que seja caseiro. Num domingo qualquer você pode fazer um bom refogado com seus legumes preferidos, cebola, alho, alho-poró, cenoura, louro, etc etc . Deixe cozinhar umas duas horas, coe e guarde em garrafinhas de água de meio litro. O caldo é uma mão na roda para caldos, sopas, risotos...)
Azeite, sal e pimenta do reino
Queijo grana padano ralado a gosto

Refogue o alho-poró em um pouco de azeite e fogo baixo. Quando começar a dourar acrescente os cogumelos cortados em fatias. Deixe reduzir e perder água por uns 3 minutos. Acrescente sal e pimenta do reino. Acrescente o vinho e deixe evaporar. Reserve alguns pedacinhos para a futura decoração.
Acrescente o caldo de legumes e deixe cozinhar uns dez minutos. Apague o fogo.
Bata a mistura no liquidificador com a nata. Depois é só aquecer e servir em cumbuquinhas, decoradas com os cogumelos reservados, azeite e grana padano ralado. 






sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Dia de caldo

Pode ser para aquecer o corpo, para curar uma gripe ou resultado de um simples desejo: comida leve, gostosa e nutritiva. Na semana passada eu reunia todos os quesitos. E fui pra cozinha preparar um caldinho com os ingredientes disponíveis na geladeira. O resultado foi um belo creme de abobrinha com gorgonzola. De lamber o prato fundo.






Caldo/creme de abobrinha com gorgonzola.

2 abobrinhas pequenas ou uma grande
meio alho-poró cortado em tirinhas
1 batata
2 copos grandes de caldo de legumes ou carne (esse quesito é importante. Eu costumo fazer uma panela grande de caldo e congelar. O caldo nada mais é que um bom refogado com cebola, alho, cenoura, louro e qualquer outro tempero que você goste, refogado e depois cozido por pelo menos duas horas em água. Se a necessidade for urgente usar um tablete desses comprados prontos, mas o resultado não será o mesmo)
100 gramas de nata (creme de leite) fresca
2 queijinhos polenguinho ou vaca que ri
Pimenta do reino, sal e azeite
100 gr de queijo gorgonzola (ou outro queijo azul)
Croutons a gosto


Fazer um bom refogado com o alho-poró e azeite. Acrescentar a abobrinha e a batata em cubos.Temperar com sal e pimenta a gosto. Adicionar o caldo e deixar cozinhar por uns 15 minutos em fogo baixo.
Bater os legumes no liquidificador controlando a quantidade de líquido, ou seja, se é necessário ou não colocar todo o caldo do cozimento. Acrescentar a nata e os queijinhos e bater um pouco mais.
Aquecer o creme numa panela, quando levantar fervura, colocar em pratos ou cumbuquinhas, acrescentar os quadrados de queijo azul, azeite e croutons.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Ferrán Adriá volta em 2014

Conta o El Pais que hoje o mais famoso chef español vai apresentar seu novo restaurante, que será aberto em 2014. O colunista gastronômico aproveita para fazer uma interessante análise de como esse chef se transformou em celebridade e, consequentemente, a comida em experimentos químicos (link nos favoritos).

Não duvido que o restaurante terá uma lista de espera como a do El Bulli, onde apenas os agraciados com muito dinheiro ou especialistas gastronômicos conseguiam jantar. Me arrisco, no entanto, a dizer que esse tipo de restaurante parece estar no fim dos seus 15 minutos de fama. Em pouco tempo o luxo não será comer uma espuminha ou tortilla desconstruída. Mas comer um frango de casa, vegetais recém colhidos, queijo da região, sobremesas caseiras. Slow food, KM zero e afins.

Enquanto isso, uma sátira ao cozinheiro-celebridade e sua cozinha laboratório. Vai um pelo com sabor de lagosta?

domingo, 23 de janeiro de 2011

Cogumelos recheados


Finger food. As comidinhas que não necessitam prato nem mesa, perfeitas para uma reunião informal com amigos. Ou como entrada de um jantar. Ou talvez como refeição leve, acompanhados de uma saladinha e uma fatia de pão.  Versáteis e fáceis de fazer, os cogumelos recheados são todo um mundo de sabor.  E aceitam novas versões a depender do que se tem em casa e da própria imaginação.  Thank you Krisha , for this wonderful recipe!

Cogumelos recheados
20 cogumelos paris ou semelhantes
200 gramos de cream cheese, de preferência Philadelphia
4 dentes de alho picados pequeninos
Meia xícara de queijo parmesão ralado
Pimenta do reino a gosto
azeite para refogar

Lavar bem os cogumelos, cortar e descartar a pontinha do cabo que normalmente traz terra e delicadamente descolar os cabinhos, reservando-os.  Colocar as copas dos cogumelos num escorredor e picar bem.
Em fogo baixinho refogar o alho com os cabinhos, deixando evaporar toda a água e dourar um pouco. Quando esfrie misturar ao cream cheese, queijo parmesão e pimenta.
Rechear os cogumelos com a mistura e levar ao forno em 180 graus por cerca de 20 minutos ou até que estejam macios (eles soltam uma aguinha e ganham um leve dourado quando estão prontos).



PS- As variações são infinitas sempre que se tome o cuidado de respeitar o delicado sabor dos cogumelos. Krisha adorna cada um com um quadradinho de presunto tapando o recheito. Também se pode acrescentar ao recheio pedacinhos de jamón serrano (presunto curado) ou bacon.  Ou ainda um pouco de gorgonzola e nozes. Com uma receita assim de fácil não falta vontade de experimentar, experimentar e experimentar.


segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Bolinho de Arroz



Nas confeitarias portuguesas o que não faltam são bolos: amêndoas, chocolate, queijadas, rocamboles... Apesar da variedade, quando eu morava em Lisboa o meu café da manhã preferido (pequeno almoço por essas terras) era quase sempre o mesmo: café com bolinho de arroz.


Neste fim de semana resolvi fabricar alguns. Pesquisando aqui e ali, roubando parte de receitas portuguesas e experimentando um pouco nasceram 15 bolinhos perfeitos: macios, pouco doces, de textura delicada graças à farinha de arroz, perfeitos para começar o dia o recobrar forças no café da tarde. Seja molhando-os diretamente no café ou cobrindo-os com uma generosa camada de geléia.



Bolinho de arroz

200 g de manteiga amolecida (tirar da geladeira na noite anterior ou colocar os tabletes próximos do fogo um tempinho antes, isso se você não tiver a sorte de estar no verão brasileiro)

250 g de açúcar

4 ovos

175 g de farinha de arroz

175 g de farinha de trigo

1 colher de chá bem cheia de Fermento em pó

100 g de nata fresca

Sumo de 1 limão (coado que caroços não caem bem no bolinho)

Pitada de sal

Açúcar e amêndoas em lascas para polvilhar (as amêndoas são opcionais)



Acenda o forno em 180 graus.

Bata as claras em neve e reserve.

Num bowl junte o açúcar e a manteiga e bata bem. Acrescente as gemas e o suco do limão. Misture as farinhas e a nata. Acrescente o fermento e uma pitada de sal. Por último as claras em neve, misturando bem sem bater muito.

Coloque em forminhas de muffins e polvilhe um pouco de açúcar e as amêndoas em lascas. O açucar forma uma crostinha gostosa e as amêndoas potencializam esse efeito.

Leve para assar por cerca de 20 minutos ou até que o palito de dentes saia sequinho.